Entrevista Mestre Julio Secco, faixa vermelha 9º Grau (BJJ Forum)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Nosso parceiro no sul Jerônimo Massariol, munido de perguntas feitas por membros do nosso fórum, bateu um papo com o mestre, que abaixo nos dá uma aula de história do Jiu-Jitsu.
juliosecco
Mestre Julio Secco (foto: jornalagora.com.br)
O senhor já participou de desafios a porta fechada? Desafios de estilo contra estilo? Lutadores de qual modalidade eram os mais duros?
Participei de um, quando o Pé-de-Pato chegou à academia da Av. Rio Branco, 151 no 17º andar, me insultando por causa de uma menina. Chamei-o para resolver no tatame, trancamos a porta e eu lhe dei uma surra bem dada, ele ficou caído.
O senhor pode contar alguma história engraçada sua com o Mestre Carlson?
O Carlson tinha uma paixão enorme por Galos de rinha, e quem cuidava dos galos dele era uma figura que morava na Favela do Medanha indo para o bairro de Santa Cruz, o Apaga-Vela. Um dia eu e o Paquetá fomos convocados pelo Carlson para irmos a casa do Apaga-Vela para ver os Galos. Compramos 30 pães, queijo, presunto, manteiga e café-com-leite (era comida que dava para umas 20 pessoas). Chegamos lá 11 da manhã, batemos na porta mas ninguém atendia, e só ouvíamos os galos berrando, cheios de fome nas gaiolas. Por fim, o filho do Apaga-Vela abriu a porta pois o mesmo não tinha condições de abrir (causas etílicas), o Carlson só olhou pra mim sem saber o que falar.
Como era a Academia Gracie na sua época?
A da Av.Rio Branco era super organizada, para você ter ideia, o aluno chegava com a roupa do corpo, e lá tinha tudo. Quimono lavado, toalha, sabonete e um armário só teu. A aula começava na hora exata, e terminava na hora exata também.
Como foi desbravar o Sul com o Jiu Jitsu?
Olha, não foi fácil. Não existia Jiu Jitsu em Pelotas, Rio Grande e muito menos em Bagé (todas cidades do interior do RS). No dia 04 de Outubro de 1998 comecei a dar aula a três alunos: Leandro Luz, João Negão e Marlon (um sargento do Exercito). Eu dava aula e treinava com eles. Para terem uma ideia, levei essa turma para o campeonato gaúcho, e o João Negão ganhou do (Fabrício) Werdum, do Schwarzenegger e mais três, sagrando-se campeão gaúcho no Peso e no Absoluto. Em Janeiro de 1999, o Marcelo Cajaty me chamou para dar aulas em Rio Grande com o Gabriel que tinha 13 anos e o Guido com 15 anos. Assim começou no Yatch Club o Jiu Jitsu em Rio Grande, depois, um outro sargento me ligou de Bagé, o Lealdino. Eu saia as quintas feiras 14:00, chegava em Bagé as 18:00, dava aula e voltava para Jaguarão, onde morava. Hoje tenho 80 alunos em Pelotas e 140 em Rio Grande. Só Deus sabe o sacrifício que foi, mas hoje colho os frutos, com vários campeões e faixas preta.
Como era a diferença entre o Mestre Helio e o Sr. Helio?
O hélio era um grande ser humano, mas não se pode falar no Helio sem antes falar no Carlos. Esse era o verdadeiro mentor do Jiu Jitsu, pois foi ele quem aprendeu com o Conde Koma (Maeda), grande campeão Japonês que fugiu para o Brasil e ensinou o franzino Carlos Graciea defesa pessoal e quedas, o pedaço do Ju jutsu. Depois disso que o Helio passou a dar aulas de jiu jitsu, pois o Carlos se atrasou muito um dia na tua Marques de Abrantes, que liga os bairros do Botafogo e Flamengo no Rio. O Carlos passou a estudar uma alimentação saudável, chegando então a ser frutívoro, nesse meio tempo, o Helio seguiu lutando e mostrando o jiu jitsu, cada vez mais com novidades. Ele convidava os japoneses tripulantes dos navios para treinar, e seu ápice foi a luta de vale-tudo com o Waldemar Santana, que está no Guiness Book como a luta mais longa do mundo. O Helio era uma boa pessoa, muito teimoso e mulherengo, mas um excelente caráter.
Na sua opinião, quais as maiores diferenças do Jiu Jitsu do seu tempo para o jiu Jitsu atual?
No meu tempo, o Jiu Jitsu era esse que ensino, com poucas (mas eficazes) variações. Hoje em dia, como o Jiu Jitsu tomou conta do mundo, abriu espaços para falsos faixa preta que destroem a reputação dos verdadeiros mestres, eu mesmo em Pelotas e Rio Grande desmascarei alguns pretas picaretas, que usavam a faixa preta para ganhar alguns trocados enganando os leigos. É uma vergonha, pois não temos um órgão regulamentador que tome providencias, mas infelizmente é assim mesmo. Me orgulho do nível do meu Jiu Jitsu e de meus alunos lutarem de igual para igual com qualquer outro competidor do mundo.
O que é necessário para receber a Faixa Preta das suas mãos?
Olha, a faixa preta, ao meu ver, é como se tu tivesse feito uma faculdade e recebido o diploma. É algo sagrado na minha opinião, tu leva mais de sete anos para estar realmente pronto, e na minha equipe eu costumo esperar mais ainda, se eu não achar que está pronto para alguma faixa, eu não dou. Me orgulho de nunca ter vendido uma faixa, da amarela a preta.
Como o senhor vê a questão da guarda no MMA? As regras do UFC, a grade, o tempo limitado. Como acha que a guarda deveria ser trabalhada no octógono pelos lutadores de Jiu Jitsu? Puxar para a guarda no MMA atual está fora de cogitação?
A guarda é um dos maiores artifícios do Jiu Jitsu, e quem sabe fazer bem a guarda tem uma boa arma no Vale-Tudo (ou MMA como chamam, acho esse nome uma M***). Infelizmente, eu não vejo nenhum lutador que se diz do Jiu Jitsu fazer uma guarda descente, o melhorzinho é o Jacaré. Eu assisti 180 lutas do Vale-Tudo atual para fazer uma estatística sobre isso: 95% das lutas de Vale-Tudo que se desenrolaram no chão foram ganhas pelo lutador que jogou por cima, os outros 5% terminaram entre Chave de Braço, Triangulo, Kimura, Guilhotina… Por essa razão, em um Vale-Tudo tu até pode puxar para a guarda, mas já deve estar com uma raspagem engatilhada para que possa jogar e finalizar por cima. Esses eventos de hoje não valorizam o jogo de chão, pois a maioria dos árbitros são oriundos do boxe e não ligam muito para uma queda, uma raspagem, uma montada, e o povo também contribui para isso, pois eles querem ver sangue, isso sempre aconteceu, basta lembrar da época dos gladiadores romanos, então o evento procura (e as vezes até impõe) esse tipo de luta.
O que o senhor pensa sobre as diversas federações que se propõe a gerir o Jiu Jitsu no Brasil?
Sendo curto e grosso, sem ser a IBJJF e a CBJJ (e outras confederações filiadas a IBJJF), as outras são caça niqueis para ganharem dinheiro, muitas vezes usando as regras idênticas das que nos criamos.
Gostaria de deixar uma mensagem para todos os usuários do BJJFORUM que admiram a sua trajetória?
Bem, o que posso dizer para vocês é que levem o Jiu Jitsu com seriedade. Nossa arte tem várias outras utilidades, como preparar um homem ou uma mulher para a vida. Dar auto confiança e discernimento nos momentos difíceis, um físico bonito e privilegiado, saúde física e mental. Por fim, gostaria de dizer que participei ativamente do desenvolvimento do Jiu Jitsu no Brasil, e tudo que disse a vocês é da minha experiência, vivida e testada nos tatames. Um grande abraço, fiquem com Deus.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Follow by Email

Be More no Facebook

No Instagram @bemoreblog

Contatos

contato@bemoreblog.com.br
Amanda Accioli
11- 996690432
Jacqueline Abon Ali
11-983431234

BLOG BE MORE

Copyright © 2014 - Todos os Direitos Reservados