No diário da Jacque: Levem suas crianças para Correr

domingo, 23 de novembro de 2014

Meu post de hoje é dedicado aos pequenos.
Hoje eu quero relatar um pouquinho da minha experiência em corridas infantis e tentar ao máximo, através de pesquisas deixar neste post informações para papais e mamães, sobre esse esporte tão simples e ao mesmo tempo tão naturalmente infantil.
 Correr é algo que nasce com a criança, faz parte da infância: esconde-esconde, pega-ladrão, fugir do irmão mais velho, correr é algo muito natural para elas.
Como eu já contei anteriormente, conheci meu marido no mundo da corrida.
Na época, a Yasmin sua filha do primeiro casamento tinha 3 anos e meio.
Como nós corríamos e amamos o esporte, pesquisamos sobre a possibilidade de levar a Yasmin em alguma corrida de adulto com atividade infantil e para minha agradável surpresa, descobrimos que existiam algumas provas durante o ano específicas para os pequenos. Uma mistura do lúdico com o esporte, que as crianças realmente levam a sério e que amam!!


  
Brincando de Correr


Transformar essa brincadeira que as crianças tanto amam em um ingresso para uma vida saudável no esporte, é uma diversão garantida para toda a famíla.
A Yasmin ama todas as provas de corrida e carregou a prima dela - a Natália - para corer com ela.
Elas participam de provas infantis desde muito pequenas e o mais bacana é que essas atividades fortalecem a relação e o vinculo de amizade e companheirismo entre elas.
Os pais da Nati, são corredores também - maratonistas, logo isso ajuda e muito a influenciar no esporte.
É ímportante ressaltar que tanto os pais, quanto os filhos devem entender que a ideia é se divertir - cobranças exageradas em torno de performance podem fazer a criança a desistir do esporte.
O papel dos pais é valorizar a superação individual e o feito do seu filho.







A Yasmin e Natália com seus 8 e 7 anos respectivamente sabem bem que estas provas são pura diversão e, mesmo que elas tenham uma veia competitiva, elas entendem que o mais importante não é a performance e sim a união, superação, cooperação e a mutualidade que o esporte ensina, sem tirar o melhor da idade que é brincar e ser criança.
Se incluirmos o esporte na rotina dos pequenos para criar desde a infância hábitos saudáveis, para eles é uma grande brincadeira, é farra, é puro instinto. E pode ser mais. Pode ser o pontapé inicial para uma adolescência e uma vida adulta ativa, saudável e bem longe de consultórios médicos e estatísticas assombrosas de doenças como obesidade.
Mas qual é a melhor maneira de estimular as crianças a praticarem um esporte sem tirar delas a simples alegria de correr? Simples: Jamais tire o foco da diversão. 






  
Corrida e Alegria
 Fonte: www.runnersworld.abril.com.br

“Quando as crianças são muito pequenas, a ênfase não deve estar na competição nem em correr distâncias específicas”, diz Carol Goodrow, autora de Kids Running (em tradução livre, “Corrida para crianças”). “Não tem problema se elas começarem a correr e pararem, ou se acelerarem e diminuírem o ritmo.” Susan Love, diretora do Just Run (www.justrun.org), programa online gratuito de corrida para crianças de 5 a 12 anos, concorda. “Logo cedo, a criança deve desenvolver o conceito de que correr é divertido”, diz ela.
Estudos mostram que é duas vezes mais provável que adultos praticantes de atividade física tenham sido esportistas quando jovens, se comparados a adultos sedentários. Nós, corredores, podemos estimular as crianças a seguirem nossos passos. Mas não deixe seu entusiasmo tirar o melhor de você. “Pais ou treinadores precisam ficar de olho nas crianças para ver se elas estão realmente gostando de correr”, explica Chris Donald, técnico de atletismo no Reino Unido. “É preciso encontrar o equilíbrio e recuar quando necessário. Você também precisa se lembrar de que algumas crianças irão dizer que gostam da corrida porque é isso que sua mãe, pai ou treinador quer ouvir.”
 
 

As provas infantis são uma ótima maneira de apresentar os benefícios da corrida às crianças, mostrar o lado lúdico e saudável do esporte. O primeiro evento desse tipo foi promovido pelo clube de corredores Corpore, em 1994. “Essas provas devem ser uma grande festa e não uma competição”, afirma Armando Francisco, diretor-executivo da Corpore. Hoje, são dezenas pelo país, atraindo crianças dos 3 aos 14 anos, que geralmente percorrem de 50 a 800 metros e se esbaldam em atrações paralelas oferecidas pela organização, como brinquedos infláveis, ateliês e shows. A corrida em si lembra muito as provas para adultos: têm largada e chegada, kit de corredor com camiseta de prova, número de peito e medalha. Há provas só para os pequenos, as que integram os eventos para adultos e ainda uma terceira categoria, criada recentemente: provas em que criança e pai (ou mãe) correm juntos, unidos por uma fita elástica. É o caso da Corrida Cartoon.

Nas provinhas, as crianças têm uma idéia da diversão e adrenalina de competir, mas, de novo, elas devem seguir no próprio ritmo.
"Não arraste seu filho para uma corrida nem o faça participar de um evento se ele não quiser", diz Carol Goodrow. "E se vocês correrem juntos, você precisará reservar tempo no seu treino para ajudar e estimular seu filho."

 
 
 
 
Susan Love acredita que um dos motivos pelos quais o Just Run tem uma aceitação tão boa (6.000 crianças inscritas) é o fato de ele ser totalmente inclusive e não competitivo. "Fazer as crianças manterem um diário de corrida é uma ótima maneira de integrar essa atividade ao currículo escolar", diz Susan. Mas quilometragem e ritmo não são o foco desses diários, Segundo ela. "No caso de uma criança de 5 anos, por exemplo, ele pode ter fotos do clima ou da paisagem observados durante um trote ao ar livre. O das crianças mais velhas pode ter uma redação com o tema "Do que eu mais gosto na corrida".

 
 
 
 
 

Benefícios


Dentre os benefícios que os pequenos podem obter com o exercício, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), estão o desenvolvimento da força muscular, flexibilidade, resistência, aperfeiçoamento da coordenação motora, estímulo do metabolism ósseo, aumento da capacidade respiratória e cardiac, melhora do humor e do apetite, além de prevenir a obesidade e, em longo prazo, diminjuir o risco de hipertensão, diabetes e cardiopatia isquêmica (arteriosclerose).

"O maior benefício, porém, é despertar na criança o interesse pelo esporte, independentemente de que ela venha a se tornar uma atleta de ponta ou não. O gosto pela atividade física certamente fará dela um adulto mais saudável e alegre", comenta Cleber Guilherme, treinador do Centro de Excelência Esportiva do Ibirapuera em São Paulo, e director técnico da assessorial esportiva que leva seu nome.

O esporte também contribui para o aprendizado. Um estudo feito pela University of Geogia, nos Estados Unidos, concluiu que os exercícios regulares podem estimular a função e o desenvolvimento cognitivos das crianças. Carol acredita que a corrida seja uma maneira valiosa de gastar energia, principalmente para crianças com transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Um estudo publicado na revista científica Paediatric Exercise Science mostrou ainda que os exercícios também ajudam as crianças a lidar melhor com a raiva.
 
 
A Distância Ideal
 
 
Se a criança decidir incorporar a corrida à rotina de treinos, qual é a quantidade suficiente — ou excessiva — para elas? Não há um consenso entre especialistas. “Cada criança é única. Tudo depende da idade, do desenvolvimento físico, do nível de condicionamento, do tipo de corrida e de preferências pessoais”, diz Carol. Há um ditado que se costuma usar em relação a crianças no atletismo: “Elas não são miniadultos”. Por exemplo: quando estão cansadas, as crianças mais novas param e, às vezes, sentam-se. Elas ouvem mais o corpo que qualquer criança mais velha — e certamente muito mais que os adultos. “A maioria das crianças só consegue correr distâncias curtas sem ter de fazer uma pausa. Mas, se permitirmos, elas farão o tempo de recuperação necessário, por instinto”, afirma Mike Antoniades, técnico de corrida que trabalha com crianças no Reino Unido.
O ortopedista Rogerio Teixeira, especialista em medicina esportiva pela Unifesp, não recomenda a corrida como prática regular antes dos 7 ou 8 anos de idade, “fase em que o joelho completa seu crescimento em termos de angulação”, afirma. Na verdade, os médicos indicam que se espere até a fase de maturação sexual (que varia muito e pode acontecer aos 10 ou 14 anos) para a introdução de treinos regulares, já que, antes disso, a estrutura óssea e muscular ainda está em formação. “E a criança ainda não tem concentração suficiente para um treino repetitivo e constante, fica enfadonho. Se nessa fase direcionamos a atividade para um só movimento, perdemos a chance de diversificar o padrão motor. Nesse momento, especializar seria um erro. Vai nadar, correr, pular, equilibrar-se! No fim de semana, correr uma provinha por diversão, ok, mas, durante a semana, diversifique”, afirma Zogaib.
Na assessoria esportiva MPR, de São Paulo, o treinador Fabio Ferreira dá treinos para alunos a partir de 14 anos. “Abaixo dessa idade, o ideal é que seja mais uma recreação, brincadeiras lúdicas com a corrida.” Segundo ele, somente a partir dos 14 ou 15 anos seriam indicados treinos específicos de corrida, de duas a três vezes por semana. “Mesmo nesses casos, indico que pratiquem outras modalidades em paralelo.” Especialistas alertam: treinadores e pais devem evitar sobrecarga, que pode causar lesões em ossos e cartilagens. “Qualquer dor que dure mais de uma semana tem de ser avaliada. Mesmo para adolescentes, o volume de treino não deveria ultrapassar 1 hora por dia, até quatro vezes por semana”, indica Rogerio Teixeira. A IAAF (Federação Internacional de Atletismo) recomenda que, até 14 anos, a frequência de treino não ultrapasse três vezes por semana.
 
 
Ao correr com seu filho, elogie o empenho dele e não só o resultado. “A criança precisa se sentir feliz, reconhecida pelos pais, e jamais deve ser obrigada a fazer algo ou pressionada a obter algum tempo”, afirma Carla Di Pierro. E procure dar dicas sobre a postura, sempre de forma leve e descontraída. Aproveite que as crianças têm por hábito copiar os pais e mostre que os ombros devem ficar relaxados e os braços, paralelos ao corpo. “Uma criança de menos de 15 anos normalmente leva 30-40 minutos para dominar os aspectos básicos da boa postura. Em comparação, o adulto geralmente precisa de seis treinos. Elas aprendem muito rápido”, afirma Mike.

 

Se a corrida for incorporada à rotina de seu filho, leve-o a um ortopedista para uma avaliação postural. Para os treinos, busque orientação de um profissional de educação física. A consultoria esportiva Rio Saúde oferece aulas para alunos a partir de 8 anos. São dois treinos semanais, de 40 minutos a 1 hora, no Bosque da Barra. “O foco é sempre a diversão, são treinos lúdicos para iniciar crianças e jovens no esporte”, diz o treinador Roberto Tadao. A partir da puberdade, torna-se ainda mais importante o acompanhamento de um treinador. “Um profissional que respeite as características individuais e metas dos alunos e que já tenha grupos para crianças e adolescentes. Assim, eles se sentirão mais à vontade e motivados”, afirma Fabio Ferreira, da MPR


 Para quem quer levar os pequenos para conhecer e participar das provinhas infantis, além de encontrar um ambiente cheio de esporte e saúde, vai com certeza se deparar com muita alegria e diversão.
Abaixo vou deixar os links de algumas das provas mais bacanas para levar suas crianças.

www.pakids.com.br
www.diamundokids.com.br
www.corridacartoon.com.br
www.admaesportes.com.br/disneymagicrun


Eu super indico para todas as crianças

Bjo, Bjo

Jacque Ali
 


 
 







 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Follow by Email

Be More no Facebook

No Instagram @bemoreblog

Contatos

contato@bemoreblog.com.br
Amanda Accioli
11- 996690432
Jacqueline Abon Ali
11-983431234

BLOG BE MORE

Copyright © 2014 - Todos os Direitos Reservados